Buscar
  • Luane Morais

Betinho defende políticas e direitos essenciais a pacientes com Transtornos do Espectro Autista


Na noite de terça-feira (30), o Vereador Betinho (PRB), participou da Audiência Pública de debate sobre as estratégias para efetivação de políticas públicas a pessoas com Transtornos do Espectro Autista (TEA), junto com colegas vereadores, autoridades, representantes de associações e mães.

Entre os temas debatidos, estiveram a políticas para inclusão dos autistas, sejam nas instituições de ensino ou no mercado de trabalho, esclarecimentos sobre diagnóstico e tratamento, além das legislações vigentes para assegurar mais qualidade de vida a eles. “Desde o começo de meu mandato, destino verbas e emendas, através do ao Fundo Municipal de Investimentos Sociais (FMIS) para áreas sociais, como a Associação de Pais e Amigos do Autista (AMA), pois, acredito que com mais recursos aumentaremos o número de pessoas atendidas por essas entidades.”, afirmou Betinho.

O autismo é um transtorno de desenvolvimento que compromete as habilidades de comunicação e interação social, além de ser caracterizado por padrões repetitivos de comportamento.

Segundo a diretora da Associação de Pais e Amigos do Autista (AMA), Mara Rubia Gamon, a luta é árdua e as políticas públicas voltadas para as pessoas com TEA são essenciais. “É uma luta constante para os atendidos terem o mínimo de tratamento adequado. O tratamento para autista não é medicamentoso, mas sim, terapêutico. Se meu filho não tem as terapias adequadas, é a mesma coisa que dar um remédio errado para alguém. A associação tem sofrido muito com a falta de políticas públicas do Estado. O que eu gostaria? De aumentar o número de atendidos na entidade, pois não consigo aumentar, por não poder contratar mais profissionais. Paciente autista não pode ter alta, pois, uma vez autista, será autista até morrer. Ele tem que ser constantemente estimulado, pois, se isso não ocorrer, ele regride”, lamentou.

Em dezembro de 2012, entrou em vigor a lei federal 12.764 que instituiu a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Austista, que estabeleceu série de diretrizes para assegurar direitos. O Vereador Betinho foi um dos autores da Lei 5863/17, que institui no âmbito do Município de Campo Grande, Política Pública para Garantia, Proteção e Ampliação dos Direitos das Pessoas com Autismo.

No final dos debates, foi definida a necessidade de um mapeamento e cadastro dos portadores da síndrome na Capital, como forma de maximizar as políticas e individualizar o tratamento.


1 visualização0 comentário